É do nosso conhecimento que a área de Gestão de Pessoas vem ganhando cada vez mais, maior importância nas organizações. Além de todas as questões burocráticas o RH vem-se posicionando como um pilar estratégico dentro das organizações. Atrair, desenvolver e reter talentos torna-se sem dúvida um dos maiores desafios que as grandes e médias empresas enfrentam actualmente. Mas, analisando o contexto que vivemos, torna-se impreterível o papel do RH nas organizações. O RH estratégico é a ponte entre a empresa e as pessoas.

O cenário de pandemia do novo coronavírus, o Covid-19, tem mudado a rotina das empresas. Os habituais escritórios que juntavam vários trabalhadores passaram a ser um local de visitas pontuais, dando origem ao hoje tão falado TELE-TRABALHO, trazendo às empresas uma visão diferente do trabalho, de produtividade. Afinal percebemos que podemos ser produtivos, realizar reuniões, produzir documentos, dirigir equipas independentemente do espaço físico em que estamos confinados.

Trazemos neste artigo pequenos pontos de vista que podem ajudar e orientar os responsáveis de RH na busca incessante de soluções para dar resposta a esta necessidade de se reinventar de maneira a corresponder à exigência e fazer face ao novo cenário.

Acções no local de trabalho

Acompanhando a evolução da pandemia, urge a necessidade de rapidamente se criarem planos de contingência e adoptar medidas mais restritas a saber:

  1. A suspensão de viagens corporativas internacionais e nacionais (estas estão permitidas, mas em casos muito pontuais), o cancelamento temporário da participação em feiras, eventos com aglomeração, o encaminhamento para trabalho remoto (home office) por duas semanas para funcionários que estiveram em países com casos confirmados da doença por transmissão local.
  • Evitar o contacto é das medidas mais apelativas, assim, restringir os acessos a zonas comuns como, refeitórios, copas, áreas de fumadores e outras áreas de lazer, etc torna-se fundamental nesta fase.
  • Empresas que usam ponto biométrico para registo de assiduidade, devem imediatamente cancelar esta obrigatoriedade, para evitar possível contágio pelo toque, para algumas equipas a realização do trabalho por escalas e garantir que os locais de trabalho sejam desinfectados semanalmente;
  • Uma vez que a facilidade de mobilidade é quase nula e os transportes públicos se tornam uma ameaça para a saúde dos seus colaboradores, aconselha-se a reduzir ao máximo a quantidade de colaboradores nos espaços comuns, as organizações que possuem meios próprios devem garantir a possibilidade dos seus colaboradores deslocarem-se para o trabalho sempre cumprindo as normas de higienização e protecção.

Estas e outras simples acções são seguramente uma forma de demonstrar interesse na preservação da saúde dos colaboradores fazendo com que estes se sintam parte da empresa, pois esta se preocupa e valoriza os seus quadros.


2 thoughts on “RH Parceiro Estratégico nas Organizações. Contexto Actual – Covid19 (1ª parte)”

  1. O artigo é muito útil para o momento que vivemos. A actividades que não são possíveis serem realizadas por tele trabalho, aconselho mesmos a rotatividade de equipas para manter o distanciamento.Também devemos aconselhar os colaboradores que estão a se deslocar ao trabalho, que levem alimentação para evitar o uso de lecais comum conforme já frisado no vosso artigo.
    Mais tenho uma duvida sobre o cancelamento do uso do ponto biométrico, no que se refere as empresas que têm a gestão centralizado e com mais de 17 filias distribuídas em todo pais, nestes casos como poderia-se obter o controlo da assiduidade?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *