Se pudesse estar mais confiante e confortável com as suas emoções ? E se pudesse ver os seus sentimentos como fontes essenciais de informação para o sucesso e bem-estar, em vez de obstáculos inconvenientes para o seu progresso?

Em “Permission to Feel “ Marc Brackett, professor fundador e director do Centro de Estudos para Inteligência Emocional da Universidade de Yale, apresenta uma abordagem baseada em evidências para gerir as nossas emoções, como Cientistas das Emoções.

Estamos sempre a sentir algo com mais frequência, do que possamos imaginar. Desde o momento em que acordamos e lentamente vamos tomando consciência do que se passa  ao nosso redor , estamos sempre a sentir alguma coisa. Talvez seja sentimento de desespero para dormir mais uma hora, ou que as nossas energias estejam renovadas e prontos para sair da cama e enfrentar o mundo.

Todas as emoções são importantes fontes de informação e que podem melhorar a nossa vida, quando nós damos permissão para senti-las.

Em 1990, os psicólogos Peter Salovey e John Mayer introduziram a primeira teoria formal da inteligência emocional na literatura científica. Eles a definem como “a capacidade de monitorar os próprios sentimentos e emoções dos outros, de discriminá-los e de usar essas informações para orientar o pensamento e as acções”.

Salovey começou a estudar as emoções humanas em 1970, na altura não havia muito interesse no conceito das emoções na Psicologia. Pesquisas mostraram que as emoções dão propósito, prioridade e foco ao nosso pensamento. Elas dizem-nos o que fazer com o conhecimento que os nossos sentimentos transmitem.

Elas motivam-nos a agir. As emoções têm um propósito extremamente prático: elas garantem a nossa sobrevivência. Elas tornam-nos mais inteligentes. Se não precisássemos delas, elas não existiriam.

Marc Brackett com base nas suas experiências de infância e no longo trabalho de investigação e pesquisa no campo da inteligência emocional desenvolveu um sistema com a sigla RULER ( Recognizing; Understanding; Labeling; Expressing; Regulating.).

A sigla é composta por cinco habilidades de inteligência emocional. As três primeiras Reconhecer, Compreender e Rotular – ajudam-nos a identificar e descodificar com precisão o que nós e os outros estamos a sentir . As duas habilidades restantes – Expressar e Regular dizem-nos como podemos gerir essas emoções para atingir os objetivos desejados.

É importante aprender a regular as nossas emoções, em vez de deixar que elas nos regulem. Pessoas com essa habilidade são capazes de usar essas estratégias para controlar as suas próprias emoções e ajudar os outros com as deles. Líderes, educadores, pais, alunos e pesquisadores encontrarão valor neste livro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *