Os segredos para conseguir mais com menos nos negócios e na vida.

A descoberta de Pareto

O padrão subjacente ao Princípio 80/20 foi descoberto em 1897 pelo economista italiano Vilfredo Pareto (1848-1923). Desde então a sua descoberta tem sido chamada por muitos nomes, incluindo Princípio de Pareto, Lei de Pareto, regra dos 80/20, Princípio do Menor Esforço e Princípio do Desequilíbrio. Pareto estava observando os padrões de riqueza e de renda na Inglaterra do século XIX, quando percebeu que, em suas amostras, a maior parte dessa riqueza e renda pertencia a uma minoria de pessoas e que surpreendentemente havia uma relação matemática consistente entre a proporção de pessoas e a quantidade de riqueza e renda que esse grupo desfrutava. Outra descoberta de Pareto, aquela que de fato o entusiasmou, foi que esse padrão de desequilíbrio era, de modo consistente, repetido onde quer que ele observasse os dados, em diferentes períodos de tempo e em diferentes países.

O que é o Princípio 80/20?

O Princípio diz-nos que, em qualquer população, algumas coisas são muito importantes do que outras. Uma boa referência ou hipótese é que 80% dos resultados ou dos produtos derivam de 20% das causas e, às vezes, até de uma proporção ainda menor de forças poderosas. Por exemplo, um estudo demonstrou que 1,3% dos filmes produzidos faturam 80% da receita das bilheteiras. A minoria das causas, fatores ou esforços, em geral, leva à maioria dos resultados, produtos ou consequências.

Assim, o Princípio 80/20 afirma que existe um desequilíbrio inerente entre causas e resultados, entre recursos e produtos, e entre esforços e recompensas.

Princípio não é uma fórmula mágica. De vez em quando, a relação entre resultados e as causas ficam mais próximas de 70/30 do que 80/20. Mas é mesmo bem raro que 50% das causas levam a 50% dos resultados. 

Por que o Princípio 80/20 é tão importante?

A razão para o Princípio 80/20 ser tão importante é que ele é contraintuitivo. Temos a tendência de esperar que todas as causas tenham mais ou menos a mesma relevância, presumimos muito por culpa do nosso mapa mental que 50% das causas ou fatores representarão 50% dos resultados ou produtos. O universo é previsivelmente desequilibrado, poucos fatores têm real relevância.

Bruno Sousa, Coach.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *