“O stress e a fadiga, provocados pela forma disfuncional como estamos a trabalhar levam a um conjunto de repercussões e funcionalidade do cérebro com manifestações sérias e graves da capacidade cognitiva. Alguns exemplos dos efeitos do stress na estrutura e funções cerebrais (2):

  • Memória;
  • Alterações de humor;
  • Tomada de decisão;
  • Aversão ao risco.

Tenha atenção a todos os sintomas, que o seu corpo lhe dá, indicadores tais como: dor-de-cabeça, taquicardia, respiração mais ofegante e que são alguns sinais físicos que podem apontar um nível de cansaço.

De acordo com OMS, o Burn-out é uma síndroma resultante do stress crónico no local de trabalho que não foi administrado com sucesso. É caracterizado por três dimensões:

  • sensação de esgotamento ou esgotamento de energia;
  • aumento da distância mental do trabalho ou sentimentos de negativismo ou cinismo relacionados ao trabalho; e
  • eficácia profissional reduzida.

Identifica-se? Não se esqueça que há ainda muita vergonha em aceitar que se está mal… que necessita de ajuda especializada, mas ela existe e estará sempre disponível para o apoiar e jamais para o julgar.

Líder: como está a gerir a sua saúde emocional? Como está o seu humor? O seu nível de cansaço? E o seu nível de boa disposição?

Depois de mudanças de rotinas, hábitos e estilos de vida por força da pandemia que ainda enfrentamos, muitas foram as descobertas sobre a sua capacidade de adaptação a novas formas de trabalhar e de liderar as nossas pessoas, algumas de sucesso, outras de insucesso.

E porquê, porque ser líder implica cuidar e gerir pessoas, se você estiver cansado, como fica a sua responsabilidade para com os outros? Mas acima de tudo consigo, com a sua saúde física e emocional

Para nos ajudar nesta reflexão, já alguma vez sentiu alguns dos sentimentos abaixo descritos (1):

  • “Sinto-me sem recursos físicos e emocionais para enfrentar situações difíceis;
  • Tudo acontece comigo;
  • Não sinto empatia em relação aos meus colegas;
  • Sinto-me culpado pela baixa produtividade;
  • Preciso que aprovem o que faço;
  • Há algum tempo que me sinto inseguro em tudo o que faço;
  • Tenho de fazer tudo de forma perfeita e muitas vezes fico perdido num loop em que não termino o que comecei;
  • O meu trabalho está acima de tudo;
  • Esqueço-me dos horários das minhas refeições e raramente paro para qualquer das minhas necessidades pessoais;
  • Sinto-me sobrecarregado o tempo todo;
  • Tenho dificuldade em concentra-me;
  • Isolo-me de amigos e familiares;
  • Estou intolerante e julgo tudo e todos;
  • Executo tarefas incompatíveis com os meus valores;
  • Sinto-me inútil;
  •  As formas de aliviar o meu stress são com álcool e/ou drogas;
  • Como de forma emocional ou nunca tenho forme;
  • Sinto-me constantemente indiferente, inseguro, exausto;
  • Sinto que estou num beco sem saída;
  •  Durmo menos de sete horas por noite e às vezes troco a noite pelo dia.”

Reviu-se? Identificou alguma com mais frequência que faça parte do seu dia-a-dia? Ou se calhar até mais do que uma? Com que frequência? Como se sentiu? O que lhe provocou?

Burnout é uma expressão que deriva do inglês e que significa “queimar até á exaustão”, já que Burn significa queimar e Out significa até ao fim. Este termo está associado a comportamentos em que a fadiga, tristeza acentuada, a irritabilidade, perda de motivação, de vontade de fazer acontecer, afastamento, inflexibilidade, mau-humor, rigidez e sobrecarga de trabalho.

E os próximos passos: re-calibrar, definir as suas verdadeiras prioridades, estabelecer novas rotinas que o ajudem a cuidar de si, mantendo e alcançando os objectivos que tem.

Algumas partilhas que espero que o ajudem a evitar estas situações de fadiga:

  •  Saber pedir ajuda;
  •  Saber parar;
  • Descansar, dormir para poder recuperar;
  • Ter uma alimentação equilibrada;
  •  Dar tempo ao que realmente lhe dá energia positiva;
  • Encontrar momentos de pausa, de relaxamento que se adapte para si;
  •  Fazer algum desporto ou ter um hobbie que não esteja relacionado com o seu trabalho.

Sorria, agradeça! Valorize as coisas que lhe fazem bem. Cuide de si, para poder cuidar das suas Pessoas. Se já está a entrar neste ciclo, tenha cuidado, veja o que pode começar agora a fazer de diferente. E aplique. Sei que por vezes pode ser um desafio, mas se não fizer nada irá chegar a um determinado momento em que o seu corpo vai parar por si ou apresentar dificuldades em responder de forma adequada aos desafios que tem diariamente. Antes que isso aconteça, PARE!

Por: Eva Rosa Santos,

Fundadora da Comunidade de Recursos Humanos e Liderança Feminina em Angola.

Referências:

(1) Vânia Castanheira (2020), Porque andamos tão exaustos? Edições Arena

(2) José Soares (2021), Start & Stop – Saber parar para manter o equilíbrio entre produtividade, saúde e bem-estar. Edições Ideias de Ler

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *