A Netflix e a Cultura da Reinvenção, por Reed Hastings e Erin Meyer.

No ano de 1998 Reed Hastings  e Marc Randolph fundaram uma Start Up que permitia às pessoas escolherem DVDs em um site recebendo-os pelo serviço postal dos Estados Unidos, contavam com 100 funcionários e meros 300 Mil assinantes. As perdas no ano de 2000 totalizaram perto de 57 milhões de dólares. Ansiosos por fechar um acordo com a BlockBuster trabalharam durante meses só para que o CEO John F. Antíoco  (BlockBuster ) respondesse às suas tentativas de reunião. Quando finalmente conseguiram, viram a sua proposta de venda recusada. Alguns anos depois, o mundo mudou e a gigante Blockbuster declarou falência e ao contrário a Netflix adaptou-se às mudanças, passou de serviço de aluguer de DVDs por correio para,  não apenas um serviço de streaming com mais de 180 milhões de assinantes em 190 países,mas uma grande produtora de filmes e programas de televisão para o mundo, sendo que em 2019  o filme Roma indicado  na categoria de melhor filme, ganhou três Oscars. Como é que isso aconteceu? Porquê que a Netflix conseguiu adaptar-se diversas vezes e BlockBuster não, sendo que eles possuíam a marca, o poder, os recursos e a visão?

A Netflix possui uma Cultura que coloca as pessoas acima dos processos, que enfatiza mais a inovação do que a eficiência e este livro é sobre os princípios inovadores que sustentam essa cultura.

Deixo aqui duas ideias  partilhadas pelo autor.

1-  Um óptimo ambiente de trabalho é composto por colegas incríveis.

Na primavera de 2001, veio a crise. A primeira bolha da internet e a Netflix não escapou. Para que o negócio continuasse, um terço do pessoal foi demitido. A maior preocupação de Reed era que a motivação dos que ficassem no escritório despencasse. após algumas semanas, para surpresa de todos aquelas pessoas que ficaram, trabalhavam mais horas , com mas o ânimo estava melhor do que antes e faziam tudo  com mais paixão e criatividade.

Houve um refinamento da mão de obra, os mais habilidosos que haviam ficado mostraram-se muito produtivos e a empresa ganhou muito com isso.A densidade de talento tinha aumentado.

 Ideias a reter

  • O desempenho bom ou ruim é contagiante, e o objetivo de um líder é desenvolver um ambiente de trabalho ágil e inovador  composto exclusivamente por colegas incríveis.
  • Colegas incríveis realizam quantidades significativas de trabalho importante e são excepcionalmente criativos e apaixonados.

2- Pague os melhores salários do mercado

A alta densidade de talento da Netflix é o mecanismo que impulsionou o sucesso da empresa. Reed Hastings aprendeu essa estratégia simples, mas fundamental, depois das demissões de 2001. Mais complicado, porém, era descobrir quais passos dar no intuito de atrair e manter aquelas pessoas talentosas.

Pagamento excepcional a funcionário excepcional. Reed explica como resolveu o problema: “Não tínhamos muito dinheiro em 2003, mas tínhamos muito a alcançar. Precisávamos pensar cuidadosamente sobre como gastaríamos o pouco que possuíamos. Decidimos que, para qualquer tipo de função operacional onde houvesse um limite claro de quão bom poderia ser o trabalho, pagaríamos a média do mercado. Mas, para todos os trabalhos criativos, recompensaríamos um funcionário incrível com um dos melhores salários do mercado, em vez de usar o mesmo dinheiro para contratar uma dúzia ou mais de funcionários medianos. Isso resultaria numa força de trabalho enxuta. Estaríamos confiando numa pessoa excepcional para fazer o trabalho de muitos. Mas a pagaríamos excepcionalmente bem.”

Em um ambiente de alto desempenho, pagar salários acima do mercado é mais econômico a longo prazo. Custa muito mais perder pessoas e recrutar substitutos do que pagar um pouco mais.

Recomendação: não pague bônus com base no desempenho. Em vez disso, aplique esses recursos no salário.

A regra é não ter regras traz uma rápida contextualização a respeito da história da Netflix e como ela se tornou uma das maiores e mais importantes empresas globais. Entretanto, o livro é bastante direcionado para empreendedores que estão em cargos de liderança e/ou pessoas responsáveis por gerenciar funcionários em uma empresa. O  foco do livro é mostrar como algumas diretrizes podem ser fundamentais para mudar o comportamento de uma empresa diante do mercado e, principalmente, a cultura organizacional como um todo.

Escrito pelo CEO da Netflix para exaltar a cultura da reinvenção da própria empresa. Tudo parece ser dito e apurado de forma bem honesta, mas em um mundo pautado pelas bolhas é sempre importante salientar que o leitor deve absorver as informações de forma crítica e ativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *